A Mixagem: como domar esse animal selvagem e assustador!

Mixagem
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Fala Galera da música, tudo certinho com vocês?

Por aqui tudo maravilhoso, sons maravilhosos saindo dos meus monitores, muito estudo, muito aprendizado!

Antes de entrar no assunto principal do post, não posso deixar de citar que a super banda Seu Edinaldo, que tive a honra de produzir aqui no estúdio 500 (leia mais no post anterior), foi selecionada entre 23 mil inscritos, para subir no palco do Rock in Rio 2017! E foram classificados com um vídeo extraído da live session que gravamos com eles aqui no 500. Nem preciso dizer o quanto estou feliz e orgulhoso!!!

Em tempo, conheçam mais sobre eles: www.seuedinaldo.com.br

Vamos lá, hoje resolvi escrever novamente sobre o processo de mixagem. Já falei um pouco sobre esse tema em posts passados, mas é um assunto que sempre rende muito papo, muita controvérsia e polêmica.

Eu gosto de mixar tanto quanto gosto de gravar, produzir ou tocar! Acho fascinante colocar as coisas no lugar e criar nuances que valorizam uma boa canção.

Mas é muito importante saber que uma boa mixagem depende de vários fatores que antecedem essa etapa. Pra mim tudo começa na canção, no conceito e claro, na captação.

Mixar para corrigir é cansativo e uma tarefa muito ingrata.

Canso de receber material que foi gravado sem cuidados providenciais, sem pesquisa e embasamento e daí o artista me mostra uma referência, acreditando piamente que vou tirar da cartola alguns plugins e técnicas mágicas que vão transformar barro em ouro.

E é justamente aí que entra a velha história do ‘Cano de ouro’, se colocarmos barro de um lado, vai sair barro do outro.

Mas vamos falar no caso de que você tenha gravado um ótimo material, ou recebido uma música muito bem arranjada, bem tocada e bem gravada.

Alguns tópicos podem te ajudar a chegar no resultado mais rápido e satisfatório:

1 – Ouça atentamente a rough mix ou cópia de monitor. Conheça a fundo a canção e o artista, entenda a dinâmica, as cores, conheça a letra, decore o solo de guitarra. Deixe a música grudar em você.

2 – Confira as referências do artista ou produtor e avalie se a gravação respeitou essas referências. Se isso não acontece, vale a pena uma conversa para definir um conceito para essa mixagem.

3 – Organize sua sessão. Cada mixante acaba criando seu workflow e metodologia, faça do jeito que ficar mais fácil e lógico para você. Use cores para identificar os grupos de tracks, eu gosto de começar pela bateria (verde), baixo (marron), teclados (azul), guitarras (roxo) e vozes (rosa), da esquerda para a direita. Meu mix bus é sempre vermelho e todos os subgrupos eu gosto de deixar ao lado do último track de cada grupo também na cor vermelha. Dessa forma já sei que tudo que é vermelho está indo direto para o meu mix bus.

4 – Cuidado para não ficar muito tempo aprendendo sobre um plugin ou ferramenta no momento da mixagem, isso acaba extendendo muito o processo, cansando seu ouvido e deixando sua mente confusa e indecisa. A hora para aprender sobre cada ferramenta deve ser a hora de estudo, durante uma mix isso até pode ocorrer, mas cuidado para que isso não tire o seu foco principal.

5 – Seja econômico no uso botão SOLO. Ouvir um track isolado por muito tempo e ficar esculpindo um som sem ouví-lo no contexto geral é um erro. Você fica duas horas pra chegar no melhor som de bumbo do mundo, no melhor som de baixo da galáxia e quando junta os dois a música não acontece! Mixar significa antes de mais nada, misturar. Os elementos tem que soar bonitos misturados, todos trabalhando juntos para que a música saia bonita dos seus speakers.

6 – Não fique utilizando técnicas e ferramentas apenas porque viu em um vídeo no youtube do seu mixante favorito. Ele tomou a decisão de ir por determinado caminho baseado na canção que ele está trabalhando e no material que recebeu. Faça o mesmo: tome suas decisões depois de conhecer a fundo o material gravado, a canção e o artista.

7 – Preste atenção quando você já entortou demais determinado instrumento, equalizou, comprimiu, distorceu e ainda não está soando legal, talvez você tenha passado do ponto. Ouça novamente o track sem nenhum processamento e veja se o som natural captado não funciona melhor dentro do contexto da canção. Faça isso sem apego, não é porque pagou 499 dólares no último lançamento da UAD que você precisa usá-lo nessa mix.

8 – Seja criativo e ousado! Não existe um curso para isso, você tem que se arriscar, só existe um jeito de se dar bem: correndo o risco de se dar mal! Arrisque! Geoff Emerick arriscou e gravou os melhores álbuns da melhor banda de todos os tempos (preciso dizer quem é essa banda?)

9 – Respeite sua principal ferramenta de trabalho: Seus ouvidos! Cuidado com o volume de seus monitores. Faça pequenas pausas a cada hora de mixagem. Depois de muito tempo ouvindo a mesma música repetidas vezes, seu ouvido se acostuma e você empaca naquilo!

10 – Não existem regras ou receitas, cada música é uma história. Algo que você fez em um trabalho anterior e soou maravilhoso pode não funcionar da mesma maneira em um novo trabalho. Renove-se e mais uma vez: Seja criativo!!!!! Crie sua assinatura sonora, os artistas e produtores vão solicitar seus serviços por conta disso e não porque você tem os melhore equipamentos e fez os melhores cursos.

11 – Atenção especial ao seu mix bus: De repente um bom compressor bem usado e um equalizador no mix bus definem a sonoridade de sua mix e evitam que você fique tendo que colocar um monte de processamento em canais individuais. Use o compressor para ‘colar’ sua mix, mas seja cuidadoso para não destruir todos os transientes e deixar sua mix sem pressão. Seja gentil também com o equalizador. O processamento no mix bus pode ser uma demão de verniz na sua mix, mas não é o ideal que ele super processe tudo a fim de consertar algum problema que pode estar acontecendo nos tracks individuais.

12 – Não se prenda a nenhum dos tópicos acima! Não existem receitas nem regras. Aliás existe uma sim: Seja Criativo e ajude o artista a emocionar o público! Esse é o papel do mixante: Trazer a tona nuances e cores que complementam o trabalho do artista e do produtor!

Segue no link uma mix de um cara que eu adoro: Vance Powell! Ele já mixou alguns álbuns que tem muito bom gosto, punch e emocionam!

https://www.youtube.com/watch?v=x6gjFkdrXbo

Que todos tenham um Setembro fantástico cheio de paz e sons!

Abraços

Nando Vieira

ALL YOU NEED IS LOVE!

DICAS E NOVIDADES PARA VOCÊ QUE FAZ MÚSICA

Receba gratuitamente, dicas de produção, gravação e mixagem e fique por dentro de promoções e condições especiais para gravações e produções, além de descontos em workshops de produção musical, áudio e music business.
INSCREVA-SE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Required fields are marked *.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>